Mente sã em corpo são em tempos de pandemia

A Organização Mundial de Saúde alerta que uma em cada quatro pessoas poderá enfrentar problemas de saúde mental na sua vida. De salientar que o surgimento de problemas de saúde mental cresceu com a pandemia (consequência do desemprego crescente, do isolamento social, da pobreza, etc.).


O estudo “Saúde Mental em Tempos de Pandemia (SM-COVID19)”, realizado em Portugal, concluiu que cerca de 25% dos participantes apresentavam sintomas de doença mental.


Esclarece a Direção-Geral de Saúde que “saúde mental” é:

  • “Capacidade de adaptação a novas circunstâncias de vida/mudanças;

  • Superação de crises e resolução de perdas afetivas e conflitos emocionais;

  • Ter capacidade de reconhecer limites e sinais de mal-estar;

  • Ter sentido crítico e de realidade mas também humor, criatividade e capacidade de sonhar;

  • Estabelecer relações satisfatórias com outros membros da comunidade;

  • Ter projetos de vida e, sobretudo, descobrir um sentido para a vida”.



Atentemos no filme da Disney denominado “Soul”. O filme apresenta uma mensagem de conforto para aqueles que, em tempos de pandemia, se veem confrontados com dúvidas relativas ao propósito das suas vidas.


Os dois protagonistas do filme (Joe e 22) representam duas formas diferentes de enfrentar a vida humana, sendo que, no fundo, já todos fomos um e outro nalgum estágio da nossa vida.


O Joe representa a ambição. Apesar de ser professor de música o seu sonho é dar espetáculos de Jazz e ser conhecido por isso. Enquanto jovens, em início de carreira, somos todos um pouco Joe, queremos o mundo e temos expectativas altas sobre o que podemos vir a alcançar. O nosso sentido de vida/projeto de vida passa muito pela nossa concretização a nível profissional.


O 22 é o oposto do Joe. O 22 não tem ambições profissionais nem tem um propósito para a vida. O 22 celebra todos os pequenos momentos da vida. Para ele, o simples facto de comer uma fatia de pizza e estar com os amigos é motivo de celebração. O 22 representa o que todos também devíamos vivenciar, isto é, viver cada dia como se fosse o último e ser grato pelas coisas mais simples.

O filme proporciona diferentes reflexões: Diariamente aproveitamos o pleno da vida? Ou vivemos obcecados em alcançar algo em concreto? Termos o nosso trabalho de sonho? Como é que andamos a aproveitar cada segundo das nossas vidas?


Na verdade, a resposta a estas questões é complexa e potencialmente controversa. Ao mesmo tempo, já todos nós nos vimos confrontados com momentos mais fáceis e mais difíceis. Já todos estivemos como na pele do Joe e na do 22, isto é, perdidos sem saber que rumo seguir (quer a nível pessoal ou profissional), já todos lutamos por algo que parecia estar muito distante.




Recordemos a seguinte homilia do Papa Francisco: “Tu podes ter defeitos, ser ansioso, e viver algumas vezes irritado, mas não te esqueças que a tua vida é a maior empresa do mundo. Só “tu” podes impedir que vá em declínio. Muitos apreciam-te, admiram-te e amam-te! Gostaria que te lembrasses que ser feliz NÃO é ter um céu sem tempestade, uma estrada sem acidentes, um trabalho sem cansaço, relações sem decepções! Ser feliz é achar a força na simplicidade, esperança nas batalhas, segurança no palco do medo e amor na discórdia! Ser feliz NÃO é só apreciar o sorriso, mas aprender lições dos fracassos. Não é só sentires-te feliz com os aplausos, mas ser feliz no anonimato. Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver a vida, apesar de todos os desafios, incompreensões, períodos de crise! Ser feliz não é uma fatalidade do destino, mas para aqueles que conseguem viajar para dentro de si mesmos. Ser feliz é parar de sentires-te vítima dos problemas, e tornares-te autor da tua própria história. É agradecer a Deus por cada manhã, pelo milagre da vida! Ser feliz, não é ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si. É ter a coragem para ouvir um “não”. É beijar os filhos, mimar os pais, viver momentos poéticos com os amigos, mesmo quando nos magoam. Ser feliz é deixar viver a criatura que existe dentro de cada um de nós: livre, alegre e simples”.


Para os que enfrentam problemas de saúde mental é, também, importante que sejam seguidos os conselhos da Direção-Geral de Saúde, nomeadamente:

  • Não se isole;

  • Reforce os laços familiares e de amizade;

  • Diversifique os seus interesses;

  • Mantenha-se intelectual e fisicamente ativo;

  • Consulte o seu médico, perante sinais ou sintomas de perturbação emocional.


Na verdade, como defende o Papa Francisco: “Descobrirás que ser feliz, NÃO é ter uma vida perfeita, mas usar as lágrimas para irritar a tolerância, e utilizar as perdas para treinar a paciência, e usar os erros para esculpir a serenidade, e utilizar a dor para lapidar o prazer, e utilizar os obstáculos para abrir janelas de inteligência. Nunca desistas!!! Nunca renuncies às pessoas que te amam!!! Nunca renuncies à felicidade, pois a vida é um espetáculo incrível!!!”


E tu, és Feliz hoje?