Crowdfunding – Uma solução de Financiamento

Hoje em dia são inúmeras as estratégias de financiamento às quais as empresas podem recorrer. No entanto, nem todos os meios de financiamento são suscetíveis de dar uma resposta a todos os pedidos.


O tradicional meio de financiamento – crédito bancário – impõe demasiadas burocracias e faz uma análise da situação financeira das empresas. Analisa o risco e exige garantias patrimoniais, impõe planos de salvaguarda e de reembolso e pagamento de juros, sendo este o seu principal interesse. Muitas empresas, nomeadamente as microempresas e PMEs, não cumprem estas exigências e veem o seu crédito negado.



Com lacunas a nível de financiamento, as empresas procuram meios alternativos de financiamento e um dos instrumentos que facilita a aquisição de capital por parte das empresas é precisamente o crowdfunding.


Crowdfunding é um método de financiamento através da internet, por uma plataforma onde seja permitido fazê-lo, onde se divulga uma campanha dirigida a uma comunidade – o fim último é a obtenção de fundos para um determinado projeto. Através desta plataforma, os investidores enviam, aceitando a oferta dirigida ao público, fundos para os project owners por uma das modalidades enunciadas.


Este meio de financiamento ganhou importância em Portugal com a crise financeira e, a partir daí, assistimos ao seu crescimento exponencial. No decurso da crise, os bancos foram fortemente restritivos na atribuição de empréstimos e nem sempre o capital de risco se mostrava suficiente para servir as necessidades de capital de todas as empresas. A sociedade moderna procura inovação e eficiência e foi isso que o crowdfunding ofereceu.

O crowdfunding conta com quatro modalidades que incluem o financiamento colaborativo através de donativos, com recompensa, por capital ou empréstimo.


- Donativo: Poderá ser através de donativo, pelo qual “a entidade financiada recebe uma determinada quantia, com ou sem a entrega de uma contrapartida não pecuniária”. Assenta num modelo de doação, ou seja, os investidores canalizam o seu capital para causas que consideram admiráveis, sem por isso esperarem qualquer benefício pecuniário em troca.