Futebol e Direitos Humanos: como relacionar os dois no caso Hakeem?


Talvez nunca tenha ouvido falar de Hakeem Al-Araibi, tal provavelmente se deve ao fato de que, embora jogador de futebol, um dos desportos mais populares do mundo, Hakeem não figura na lista das celebridades do mundo futebolístico e justamente também por isso sua vida correu grande perigo.

Vou tentar explicar. Hakeem Al-Araibi é um jogador de futebol do Bahrein, um pequenino país muçulmano, localizado no golfo entre o Irã, Qatar e Arábia Saudita. Quando jovem frequentou as seleções de base do país, mas sua promissora carreira e a sua vida, começaram a correr perigo quando, em 2012, Hakeem, e o seu irmão, foram injustamente acusados por agentes policiais de terem vandalizado uma esquadra. A falsidade da acusação foi provada por Hakeem com a exibição de um vídeo em que mostrava que, no suposto momento do crime de vandalismo contra a esquadra, ele estava a jogar futebol com transmissão ao vivo do jogo. As provas, contudo, não foram suficientes. Hakeem foi preso, torturado e, depois, injustamente condenado à revelia à uma pena de 10 anos de prisão.

A jornada como refugiado começou em 2014 quando estava no Qatar a jogar pela seleção nacional do Bahreim. Nessa ocasião Hakeem tomou uma das mais difíceis decisões que afligem a todos refugiados: a de fugir. Fugiu por medo de regressar ao Bahreim e sofrer retaliações. Fugiu porque temia pela sua própria vida. Fugiu porque sonhava em viver livremente sem o fardo de uma condenação injusta.

Assim, na esperança de garantir sua segurança e seus direitos fundamentais, ele partiu em viagem do Qatar até chegar na Austrália, onde pediu refúgio. É certo que a Austrália é um país rigoroso e seletivo no que tange às regras de imigração e pedidos de asilo e refúgio. Não obstante isso, e entendendo a peculiaridade do caso em tela, o país da Oceania reconheceu o status de refugiado de Hakeem ainda em 2014. Desde então ele passou a viver e a trabalhar como jogador profissional lá.

Tudo ia bem até novembro de 2018 quando Hakeem decidiu viajar para a Tailândia com a esposa em lua de mel. Antes da viagem, ele cuidou de verificar todos os detalhes para uma saída segura do território australiano, tendo sido informado pelas autoridades que poderia viajar tranquilamente. Ocorre que um aviso emitido erradamente pela Interpol